quinta-feira, dezembro 4

Permissão de uso de celulares na sala de aula

Ao contrário do que opinam a maioria dos professores e que é feito em quase todas as escolas, onde é proibido o uso de telefone celular durante a aula, Lisa Nielsen acredita que deve-se permitir. A especialista americana acredita que as tecnologias que os alunos usam no dia a dia devem ser incorporadas à sala de aula . Devemos tirar partido em lugar de temê-las

Por Laura Pintos

"Antes que entrem nas salas de aula, os alunos estão rodeados de tecnologias, vivem nas redes sociais. Porém uma vez nas aulas seus dispositivos digitais são proibidos, são confiscados. Os alunos se sentem em aulas do passado”

Contundente e revolucionária é Lisa Nielsen. Especialista em educação norte-americana, autora do Blog:  O Educador Inovador, de passagem por Madrid para participar no Fórum Mundial de Educação da Fundação SEK e da Universidade Camilo José Cela, que nada contra a corrente quando fala de ensino e aprendizagem.
A maioria das escolas optou por proibir o uso de telefone celular durante a aula. Os telefones e outros "gadgets"  são perseguidos e apreendidos, que os adolescentes chegam a ficar durante o dia fora da sala de aula ou com os aparelhos desligados em suas mochilas.
"Nossas salas de aula são o passado. E os alunos vivem no futuro. Eles estão cercados por tecnologia e dispositivos eletrônicos em sua vida ... até que eles entram na escola. Isso não pode continuar acontecendo ", diz Nielsen.
Em sua opinião, "uma escola que proíbe e confisca parece uma prisão" e estas práticas "estão limitando a produtividade e criatividade e, principalmente, causando-lhes um monte de frustração." "Temos de enfrentar os medos e acabar com os mitos", diz ela. 

Como fazê-lo ? 

Para tranquilizar os professores, Nielsen esclarece que não é deixar celulares, tablets e outros dispositivos assim , sem mais. Deve-se ter métodos para regular o seu uso e coloca-los a serviço da aprendizagem e  tirar proveito disso.
O especialista, que reconhece não acreditar muito nos livros didáticos (" Diz: - Eles contêm informações que são imediatamente limitada e ultrapassada"), recomenda que os estudantes e professores coloquem a questão buscando soluções criativas comuns e estabeleça consenso que contribuam para a motivação dos alunos.
"Pode-se pôr os alunos a definir as regras, decidir como vão usar os dispositivos e como eles terão impacto sobre essas normas. Ele não é o caos como dizem muitos professores. Minha experiência diz que os aparelhos podem ser integrados no ensino.
Nielsen acaba de publicar um livro, Teaching Generation Text, que justamente se desenvolve estas dicas sobre como converte os celulares em oportunidades educacionais, em vez de fontes de distração e desordem.
Entre outras funções e estratégias, a autora afirma que podem ser usados ​​como lembretes de tarefas e testes, para tomar notas e escrever as respostas breves, para referência rápida e informação instantânea ou principalmente realizar pesquisas e ver vídeos úteis.
Para Nielsen, Não são apenas: os celulares sim ou celulares não, mas devemos unificar os mundos ou "vidas paralelas" que parecem levar os alunos. "O grande problema com a educação é que a escola é muito desconectada da vida real", diz Nielsen.

A especialista vai mais além e assegura que "a vida escolar não está dando aos jovens as ferramentas e recursos de que precisam para ter sucesso na vida real, isso tem de mudar."

"Nós não podemos manter o foco em provas e memorização, você tem que trabalhar por objetivos e projetos", aconselha. "Precisamos repensar completamente educação" reclama, recordando que "o mundo mudou e não podemos continuar a usar os mesmos métodos de ensino."
______________________________________________________________________________