quarta-feira, junho 19

QUAL A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA PRODUÇÃO?


Porque é importante a Gestão da Produção?


 Essa área ainda é um pouco nebulosa porque envolve pelo lado da gestão, os engenheiros de produção. E de outro lado as tecnologias para o chão de fábrica que estão muito relacionadas a engenharia eletrônica, mecatrônica, automação industrial, engenharia da computação, enfim quase todas as opções de engenharia se encontram quando a questão é gerenciar a produção de qualquer indústria.
Gerenciamento de Produção

A primeira coisa é responder a pergunta: Qual é (ou deveria ser) a coisa mais importante de uma indústria? Acredito que quase todo mundo diria que é fabricar o produto ou produtos com menor custo e máxima qualidade e no menor tempo possível de modo a gerar lucro e ser sustentável, qualquer coisa além disso seria suporte para se atingir esse objetivo, concorda comigo?
Algumas, poucas, perguntas que se faz todos os dias a respeito de gestão da produção:
  • Como se sabe o que se deve fazer e quando?
  • Quando um operador esta precisando de treinamento ou se um outro merece um bônus por ser mais eficiente?
  • Quais são as perdas durante a produção?
  • Os produtos fabricados tem qualidade?
  • Qual o percentual de defeito?
Vou tentar resumir aqui os procedimentos para se tomar a decisão de o que produzir, qual a quantidade e em quanto tempo:
  1. Existe uma necessidade de mercado, é claro.
  2. O profissional de Planejamento (conhecido como PCP ou Planejamento e Controle da Produção) planeja utilizando um módulo do ERP ou uma ferramenta de planejamento. A intenção é gerar as OPs ou Ordens de Produção que vão para do chão de fábrica e determinam o que deve ser feito, a quantidade, o prazo, etc.
  3. Com as OPs os responsáveis pela produção iniciam o processo de produção e fabricam (pelo menos tentam fabricar) o que foi pedido na quantidade e tempo planejados e com qualidade. Sabe quando isso acontece? Raríssimas vezes, e não estamos falando somente de indústrias no Brasil mas da produção em várias partes do mundo, incluindo USA, Europa e Japão.
E na maioria das indústrias o controle da produção é feito anotando os dados em papel e depois tudo isso é digitado em um planilha Excel, por exemplo, e de novo não estou falando somente da indústria brasileira, estou falando da indústria no mundo. Estranho né? A indústrias investem muito em ERPs para a gestão do que da suporte a produção e na hora de gerenciar o que da sentido a indústria, o que os americanos chamam de core business, utiliza-se anotações em papel e planilhas. É estranho mas é a realidade.
Porque é assim? A resposta melhor que encontrei foi que existem dois mundos em qualquer indústria, a produção e gestão empresarial. No início os ERP prometiam o gerenciamento completo da fábrica, incluindo a produção, mas com o passar do tempo a gestão da produção foi sendo abandonada em detrimento da parte financeira, recursos humanos, gestão de contas, compras, estoque, enfim tudo menos produção, porque é mais fácil construir um software que atenda a necessidade dessas áreas do que as necessidades da produção.
Em função disso surgiu nos Estados Unidos um conceito diferente de sistema (software e hardware) que fosse responsável pela gestão da produção, ou seja, da Ordem de Produção até o produto acabado e entregue ao estoque. Isso foi chamado de MES – Manufacturing Execution System – (mais uma sigla para a lista) ou seja Sistema para a Execução da Manufatura.
Mas porque Execução? Bem, alguém planejou o que fazer certo? O MES é responsável por gerir como esse planejamento será executado e apresentar os problemas que aconteceram e que podem ter influenciado no prazo, quantidade ou qualidade e consequentemente custo do que foi planejado.
O objetivo principal é coletar todo o tipo de informação em tempo real – tempo real é muito importante – e disponibilizar essa informação para os gestores tanto para tomada de decisão no momento do problema quanto gerando relatórios de histórico e assim aumentar a produtividade, ou seja, produzir melhor e mais com o mesmo recurso, esse é o desafio.

FONTE: Automacaoindustrial.info